Andropogon

O andropogon pode ser recomendado para várias categorias e espécies animais. Apresenta mediana qualidade nutricional, principalmente por serem estabelecidas em áreas mais pobres da fazenda, porém se bem manejado apresenta boa produção de forragem para bovinos de cria, recria e engorda.

Descrição

Nome científico:Andropogon gayanus Kunth
Cultivar: Planaltina (CIAT621)
Registro no MAPA: nº 01711 em 22.04.99
Fertilidade do solo: para solos pobres, medianos e de alta fertilidade
Forma de crescimento: Touceira cespitosa semi-ereta
Altura: Até 1,3m a 1,8m
Utilização: Pastejo direto e silagem
Digestibilidade: Boa (54,4% “in vitro” – Laredo, 1982)
Palatabilidade: Boa
Precipitação pluviométrica: Acima de 700 mm anuais
Tolerância à seca: Alta
Tolerância ao frio: Média
Teor de proteína: 6 a 9% na MS (matéria seca)
Profundidade de plantio: 0,5 a 1,0cm
Ciclo vegetativo: Perene
Produção de forragem: 8 a 14 t/ha/ano de matéria seca
Solos úmidos: Baixa tolerância
Consorciação: Todas as leguminosas, principalmente as trepadeiras
Cigarrinha-das-pastagens: possui resistência física (pêlos)

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS

O Andropogon gayanus Kunth var. bisquamulatus (Hochst.) Hack. é uma gramínea forrageira de ciclo perene, de porte alto, que forma touceiras e possui excelente adaptação a regiões de secas prolongadas.

As folhas possuem coloração verde claro, a maioria pubescentes, a coloração pode sofrer alteração principalmente nas secas tornando violáceo. Os talos são bastante fibrosos (exige-se bom manejo), as plantas atingem altura média de 1,3 a 1,8m, produzem raízes profundas e altamente ramificadas.

 

ORIGEM 

Em 1973 o Dr. Bela Grof, pesquisador do CIAT (Centro Internacional de Agricultura Tropical), introduziu na Colômbia sementes deste cultivar, proveniente da Estação Experimental Shika da Nigéria.  Esta planta forrageira é nativa da África Ocidental, onde se encontra distribuída amplamente na maioria das savanas tropicais e sub-tropicais, regiões caracterizadas por secas bastante intensas.

Este cultivar foi liberado comercialmente em vários países no mundo conforme o quadro abaixo:

 

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS

O andropogon possui boa produção de forragem, mesmo em solos de baixa fertilidade, pastejado a cada 5 a 6 semanas (ICA, 1980). A espécie suporta bem as queimadas e devido às características agronômicas da espécie é recomendado, de acordo com as necessidades, um rebaixamento drástico do pasto (sobrepastejo) para eliminação do material fibroso, lignificado e seco, que vai acumulando com o tempo.

Este pasto apresenta como principal característica a boa tolerância ao período seco, mantendo boa quantidade de folhas neste período. Além disso, adapta-se a vários tipos de solos, desde os arenosos até os solos cascalhados, os de baixa fertilidade até os mais férteis.

 

UTILIZAÇÃO E MANEJO

O andropogon pode ser recomendado para várias categorias e espécies animais. Apresenta mediana qualidade nutricional, principalmente por serem estabelecidas em áreas mais pobres da fazenda, porém se bem manejado apresenta boa produção de forragem para bovinos de cria, recria e engorda.

Pode ser pastejado por eqüinos, sendo uma das opções para solos de baixa fertilidade e ácidos.

Este cultivar apresenta talos que podem lignificar rapidamente se não forem bem manejadas. Outro cuidado com este cultivar é o seu ciclo muito precoce que faz com que amadureça rapidamente. Por apresentar bom perfilhamento e talos vigorosos, o andropogon deve ser pastejado baixo, diferente de espécies eretas como os Panicum maximum.

Recomendamos o pastejo por 1 a 5 dias, com uma alta pressão de pastejo (oferta de forragem/quantidade de animais), podendo ser pastejado até uma altura de 15cm de altura, eliminando assim boa quantidade de talos. O período de descanso varia de acordo com o clima, mas em média é de 25 a 30 dias no período chuvoso e de 30 a 50 dias no período seco (dependendo sempre das condições climáticas).

* Experimento realizado nos anos de 1986 e 1987, na Fazenda Cadeado em Rio Brilhante-MS, avaliando ganhos de peso de novilhos nelorados em pastagens de Andropogon gayanus cv. Planaltina e Brachiaria brizantha cv. Marandu.

*média ponderada nos períodos                                                                                              Fonte: EMBRAPA, 1989

 

Este experimento apresenta resultados onde o Marandu (braquiarão) foi superior ao andropogon nas secas. No período chuvoso ocorreu o inverso. Considerando a capacidade de suporte das pastagens, expressa pela carga animal média nos períodos, observa-se que foram relativamente baixas para as espécies utilizadas, especialmente no período seco, quando se mantiveram ao redor de 0,6 UA/ha. Esses dados são o reflexo dos baixos níveis de fertilidade natural verificados na área experimental.

 

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO

Para o cálculo da quantidade de semente desta cultivar no plantio recomendamos o uso do quadro de Fatores para o Andropogon gayanus  e a fórmula abaixo:

FATOR  = kg/ha de sementes
VC

As condições de plantio dependem do preparo de solo, das condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e adubado, se há problemas com insetos (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas, etc), se há infestação de ervas daninhas, etc.

Estas informações deverão ser obtidas com o proprietário ou com o administrador, pois são eles que conhecem melhor a região e a área de plantio, para podermos recomendar a quantidade necessária de sementes, assim como a forma em que será plantada.

Por exemplo: condições ruins de plantio, jogando as sementes com a mão, prática muito utilizada em andropogon, e sementes de VC de 15%.

FATOR =  240  = 16,0 kg/ha de sementes
VC          15